Esclarecimento sobre a perseguição contra o Professor Yunus

Esclarecimento sobre a perseguição contra o Professor Yunus
January 9, 2024

Nós da Yunus Negócios Sociais Brasil queremos compartilhar nossa indignação e esclarecer para toda a nossa rede alguns pontos sobre a perseguição ao Professor Muhammad Yunus – que se acirrou em Bangladesh, às vésperas da eleição presidencial do país – e que provavelmente seguirá com desdobramentos nos próximos dias. Em 1 de janeiro de 2024, o Professor Yunus e três colegas foram condenados por violações do direito do trabalho e sentenciados a seis meses de prisão, tendo-lhes sido concedida uma fiança de um mês para permitir a interposição de recursos.

Essa é só mais uma parte, que já prevíamos que aconteceria, dessa injusta jornada pela qual o professor está passando em seu país de origem. Jornada essa, pela qual passaram também outros grandes líderes humanistas e pacifistas, como Nelson Mandela, Mahatma Gandhi e Martin Luther King.

Mais de 189 líderes mundiais, incluindo 108 laureados com o Prêmio Nobel e a Anistia Internacional, já se uniram para apoiar o também ganhador do Nobel da Paz Professor Muhammad Yunus em sua luta contra o assédio judicial histórico sofrido por ele em Bangladesh. Vozes diversas, como a de Barack Obama, Al Gore, Ban Ki-moon, Richard Branson, Paul Polman, e Jane Goodall, integram uma carta que denuncia esta e outras ameaças à democracia e aos direitos humanos no país.

Após a condenação e sua liberação por fiança, o professor Yunus se pronunciou garantindo que continuará o seu trabalho social: “Continuarei a servir o povo de Bangladesh e o movimento de negócios sociais da melhor maneira possível. Tal como os meus advogados argumentaram de forma convincente no tribunal, este veredicto contra mim é contrário a todos os precedentes legais e a lógica. Apelo ao povo de Bangladesh para que fale a uma só voz contra a injustiça e a favor da democracia e dos direitos humanos para todos e cada um dos nossos cidadãos.”

A condenação do Professor Yunus é o culminar de anos de perseguição por parte do governo de Bangladesh. Este processo - um dos 199 que foram apresentados contra ele num dos exemplos mais flagrantes de assédio judicial na história do país - deveria, na pior das hipóteses, ter conduzido a uma multa de 227 dólares contra a Grameen Telecom, onde o Professor Yunus é presidente não executivo, um cargo não remunerado. Apesar de se tratar de um assunto trabalhista, o caso foi levado ao tribunal na esfera criminal.

A Anistia Internacional acrescentou o seguinte após o anúncio do veredicto: "A Anistia Internacional considera que iniciar um processo penal contra Muhammad Yunus e os seus colegas por questões que pertencem à esfera civil e administrativa é um abuso flagrante das leis laborais e do sistema judicial, e uma forma de retaliação política pelo seu trabalho e dissidência".

Como afirmou o ex-Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em um comunicado da Campanha Protect Yunus, "Um líder como Muhammad Yunus deve ser celebrado e livre para contribuir para a melhoria das vidas das pessoas e do planeta. O último lugar em que ele deveria estar é na prisão. Faço um apelo para a reversão imediata deste veredicto injusto."

No Brasil, temos um histórico de 10 anos de apoio ao empreendedorismo social, onde aceleramos mais de 100 empresas, e financiamos um montante acima de R$ 27 milhões para 28 negócios sociais, através de nossos veículos de investimentos. Na área de Corporate, já atuamos com mais de 30 empresas em projetos ligados à inovação social corporativa, que incluem inovação aberta, desenvolvimento de cadeias de procurement de impacto, e criação de negócios sociais corporativos. Ao todo são cerca de 3 milhões de pessoas de classes C, D e E impactadas com acesso a bens e serviços essenciais, e mais de 15 mil empregos diretos gerados pelo nosso portfólio. Nós continuaremos a honrar o trabalho do Prof. Yunus, promovendo o desenvolvimento de negócios sociais e a geração de impacto socioambiental positivo no Brasil e nos países dos quais temos atuação.

Nós o apoiamos incondicionalmente, esperamos que a justiça prevaleça e que os tribunais superiores revertam essa decisão injusta.

Protect Yunus – Participe da campanha para reverter a condenação do Professor Yunus: https://protectyunus.wordpress.com/

O nosso time fica à disposição para eventuais dúvidas a respeito deste e de demais assuntos.

Atenciosamente,

Yunus Negócios Sociais Brasil

Leia mais em:

Prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus é condenado à prisão em Bangladesh

Bangladesh legal harassment of HRDs and civil society leaders

Bangladesh: Stop weaponizing labour law to harass Nobel Laureate Mohammad Yunus

Nobel laureate Muhammad Yunus convicted of violating Bangladesh’s labour laws

Yunus Negócios Sociais celebra 10 anos de atuação global

Empresa fundada pelo Prêmio Nobel da Paz já impactou globalmente mais de 47 milhões de pessoas; Saskia Bruysten, CEO mundial e co-fundadora da Yunus Social Business, vem ao Brasil e terá agenda para atender a imprensa.

HSM Expo 21: Yunus Brasil e executivos falam sobre Impacto Além do ESG

O evento contou com a participação de Tulio Notini, Diretor de Coporate da Yunus, Carla Crippa, a Vice-Presidente de Assuntos Corporativos da Ambev no Brasil, da Lívia Berrocal, Gerente de Propósito na Reckitt Hygiene Comercial e Bruno Pipponzi, líder executivo da Vitat, a nova Healthtech da RaiaDrogasil.

Saskia Bruysten: negócio ideal lucra e resolve problemas sociais

Em entrevista à EXAME, a cofundadora e CEO da Yunus Social Business, Saskia Bruysten, explica como grandes empresas, investidores e empreendedores ganham ao buscar resolver problemas sociais e ambientais